Bolsonaro diz faltar humildade a Mandetta, mas não o demitirá ‘na guerra’

Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou hoje que não pretende demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à pandemia do coronavírus. Mas admitiu que os dois vêm se “bicando”.

“Não pretendo demiti-lo no meio da guerra, mas em algum momento ele extrapolou. Sempre respeitei todos os ministros. A gente espera que ele dê conta do recado. Não é uma ameaça para o Mandetta. Nenhum ministro meu é ‘indemissível’, como os cinco que já foram embora”, afirmou Bolsonaro em entrevista à rádio Jovem Pan.

“Em alguns momentos, acho que o Mandetta teria que ouvir mais o presidente. Ele disse que tem responsabilidade, mas ele cuida da saúde, o (Paulo) Guedes da economia e eu entro no meio. O Mandetta quer fazer valer muito a vontade dele. Pode ser que ele esteja certo, mas está faltando humildade para ele conduzir o Brasil neste momento.”

Ainda segundo Bolsonaro, “aquela histeria, aquele clima de pânico, contagiou alguns lá [dentro do Ministério da Saúde]”. “Já está no momento de todo mundo botar o pé no chão”, cobrou.

Esperando ‘povo’ para decretar reabertura do comércio Ainda durante a entrevista, Bolsonaro disse esperar poder logo aliviar medidas de isolamento social. Mas que, para isso, depende de apoio da população.

“Tenho um projeto de decreto que considera atividade essencial toda aquela exercida que indispensável para ele levar o pão para casa. Eu, como chefe de Estado, tenho que decidir. Se chegar esse momento, vou assinar essa MP”, disse.

Hoje, nas redes sociais, Bolsonaro divulgou imagens de uma mulher que pedia a reabertura do comércio. “Temos que levar em conta seu estado emocional [da mulher no vídeo]. Para abrir comércio, eu posso abrir em uma canetada”, argumentou.

A reabertura do comércio é uma possibilidade para acelerar a economia do Brasil em meio à pandemia. À rádio, o presidente citou o crescimento econômico que era esperado para o país.

“O Brasil estava decolando. Nosso crescimento estava em 1,7%, era para estar agora nesse primeiro trimestre em 2,5%. Temos as exceções, mas tem gente que está de olho na minha cadeira”, em novo ataque indireto a João Doria (PSDB), governador de São Paulo.

UOL

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *