EUA NÃO ENDOSSAM PROPOSTA DO BRASIL NA OCDE APÓS APOIÁ-LA PUBLICAMENTE

O presidente Jair Bolsonaro aperta a mão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após sessão da Assembleia Geral da ONU Foto: Alan Santos / Presidência da República 24-9-19WASHINGTON —  O governo dos EUA se recusou a apoiar a proposta do Brasil de ingressar na Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), revertendo sua orientação, após as principais autoridades americanas a apoiarem publicamente .

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo , rejeitou um pedido para discutir mais ampliações do clube dos países mais ricos, de acordo com uma cópia de uma carta enviada ao secretário-geral da OCDE, Angel Gurria, em 28 de agosto à qual a Bloomberg teve acesso. Ele acrescentou que Washington apoia apenas as candidaturas de adesão de Argentina e Romênia.

“Os EUA continuam a preferir a ampliação a um ritmo contido que leve em conta a necessidade de pressionar por planos de governança e sucessão”, afirmou o secretário de Estado na carta.

A mensagem contradiz a posição pública dos EUA sobre o assunto. Em março, o presidente Donald Trump disse em entrevista coletiva conjunta com o presidente Jair Bolsonaro na Casa Branca que apoiava à adesão do Brasil ao grupo de 36 membros, conhecido como “o clube dos países ricos”. Em julho, o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, reiterou o apoio de Washington ao Brasil durante uma visita a São Paulo.

Os EUA apoiam a ampliação comedida da OCDE e um eventual convite ao Brasil, mas dedicam-se primeiro ao ingresso de Argentina e Romênia, tendo em vista os esforços de reforma econômica e o compromisso com o livre mercado desses países, disse uma autoridade sênior dos EUA, que pediu para não ser identificada por não ter autorização para discutir deliberações políticas internas em público.

O endosso dos EUA à entrada brasileira na OCDE no início deste ano foi um dos primeiros claros benefícios obtidos pelo estreito alinhamento de Bolsonaro com o governo Trump.  A entrada no grupo é considerada uma das principais apostas da política externa do Brasil.

Oglobo

FJA LANÇA EDITAL DE FOMENTO À CULTURA 2019 PARA SEIS SEGMENTOS ARTÍSTICOS-CULTURAIS

O Governo do Estado, através da Fundação José Augusto (FJA), abriu nesta quinta (10/10) o edital de Fomento à Cultura Potiguar 2019 que objetiva a seleção de 80 iniciativas artístico-culturais, mediante pagamento de prêmios aos projetos selecionados. O aviso do edital está publicado no Diário Oficial do Estado (DOE).O edital está disponível ao público através do site www.cultura.rn.gov.br na secção Editais/Editais abertos. As inscrições poderão ser realizadas até o dia 6 de novembro de 2019. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço eletrônico cplfja@rn.gov.br ou pelo coordenacao.teatros.fja@rn.gov.br

A iniciativa tem como objetivo incentivar diferentes segmentos artístico-culturais, mantendo-os em evidência por meio de uma ação pública que promova, afirme e fortaleça a arte e a cultura potiguar.

Nesta primeira edição serão contemplados os segmentos artísticos de Música, Teatro, Circo, Artes Visuais, Audiovisual e Rádios Comunitárias (segmento que está sendo contemplado pela primeira vez dentro da política pública estadual).

Serão repassados recursos públicos, através de prêmios no valor bruto de R$ 994 mil, (sendo R$ 970 mil para distribuição e R$ 24 mil para as comissões de seleção.O valor bruto dos prêmios terá 50% destinado para a região metropolitana de Natal, e 50% ao interior do estado. Os recursos são oriundos do orçamento geral da Fundação José Augusto.

Os segmentos não incluídos nesta edição como Dança, Literatura, Diversidade Sociocultural (Religiosa, Gênero, Étnica, Humana e Deficiência; e Geracional) e Cultura Popular (Teatro de João Redondo, Danças Populares e Folguedos e Literatura de Cordel), serão contemplados na próxima edição do edital que deverá ser lançada em março de 2020.

Fonte: https://bit.ly/2IG78Pd

QUANTO CADA ESTADO RECEBERÁ COM O LEILÃO DO PRÉ-SAL

A Câmara aprovou ontem o projeto que distribui os R$ 106,5 bilhões que o governo espera arrecadar com o megaleilão do pré-sal.

Desse valor, R$ 10,9 bilhões serão distribuídos entre os estados, que deverão gastar o dinheiro com os rombos de seus regimes de Previdência. A sobra, se houver, poderá ser usada para investimentos.

Veja quanto cada estado receberá, se o texto for aprovado pelo Senado, segundo levantamento do Globo:

  • Rio de Janeiro – R$ 2,3 bilhões
  • Minas Gerais – R$ 847 milhões
  • Bahia – R$ 762 milhões
  • Pará – R$ 704 milhões
  • Mato Grosso – R$ 664 milhões
  • São Paulo – R$ 631 milhões
  • Maranhão – R$ 563 milhões
  • Pernambuco – R$ 507 milhões
  • Ceará – R$ 506 milhões
  • Paraná – R$ 493 milhões
  • Rio Grande do Sul – R$ 449 milhões
  • Alagoas – R$ 391 milhões
  • Goiás – R$ 382 milhões
  • Amazonas – R$ 358 milhões
  • Piauí – R$ 348 milhões
  • Espírito Santo – R$ 331 milhões
  • Rio Grande do Norte – R$ 328 milhões
  • Paraíba – R$ 311 milhões
  • Acre – R$ 308 milhões
  • Sergipe – R$ 297 milhões
  • Tocantins – 286 milhões
  • Rondônia – R$ 276 milhões
  • Amapá – R$ 265 milhões
  • Mato Grosso do Sul – R$ 265 milhões
  • Roraima – R$ 226 milhões
  • Santa Catarina – R$ 188 milhões
  • Distrito Federal – R$ 64 milhões

 

Oantagonista

BALANÇA COMERCIAL DO RN CRESCE 20,9%, EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DE 2018

As exportações do RN de janeiro a setembro ficaram 20,9% maiores que no mesmo período de 2018, não considerando nesse cálculo os “itens extraordinários” exportados em maio. Os principais produtos exportados foram melões, tecidos de algodão, melancias, castanhas de caju e sal respectivamente. Desses 05 produtos apenas os melões e melancias tiveram variação positiva no período, com percentuais significativos.

As exportações de setembro foram 60,3% maiores que as de agosto deste ano e 3,9% maiores que em setembro do ano passado. Melões, melancias, tecidos de algodão, castanhas de caju e produtos de animais impróprios para alimentação humana foram os produtos mais exportados no mês respectivamente.

As importações cresceram 1,6%, com o trigo liderando a pauta importadora seguido de polímeros e outros insumos industriais e a corrente de comércio cresceu 28,9% no  acumulado de 2019.

Fiern

PETROBRAS FINALIZA VENDA DE TRÊS CAMPOS DE PETRÓLEO NA BACIA DE CAMPOS

A Petrobras finalizou hoje (8) a venda da totalidade da sua participação nos campos de Pargo, Carapeba e Vermelho, localizados em águas rasas na Bacia de Campos, no norte fluminense, para a Perenco Petróleo e Gás do Brasil.

A operação foi concluída com o pagamento de cerca de US$ 324 milhões para a Petrobras, com os ajustes previstos no contrato. Esse valor se soma a US$ 74 milhões pagos à Petrobras na assinatura dos contratos de venda.

Segundo a Petrobras, essa operação está alinhada à otimização do portfólio da empresa e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à geração de valor para os acionistas.

Campos
O campo de Pargo foi descoberto em 1975 e os campos de Carapeba e Vermelho em 1982 e a produção nos três começou em 1988. As concessões foram outorgadas à Petrobras em 1998 na chamada Rodada Zero de licitações.

O sistema de produção desses campos é integrado e consiste em sete plataformas do tipo jaqueta fixa. Com o fechamento da transação, a Perenco passa a ser a operadora dos campos.